terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Até onde vai o jogo (cada vez mais) perigoso do Golpe?

A tal "carta do Temer" confessando suas chantagens feitas durante o tempo e seus ressentimentos em relação a Dilma por tê-lo contrariado muda o rumo do tal processo de "impeachment". Temer, que até ontem estava calado, soltou a carta e foi fazer palestra para empresários expondo seu projeto "Ponte para o Futuro", que é um programa de governo que já meses propaga preparando o terreno para assumir o governo.
Ficou claro que o PMDB sabotava o governo, exigindo cada vez mais espaços controlando dinheiro e cargos, não para ser aliado do governo, mas para manter uma relação parasitária esperando a hora de matar o hospedeiro. Eram doença e "remédio" do governo. Desestabilizavam para vender estabilidade cada vez mais cara. E seguiriam assim se a base do PT não tivesse se rebelado e botado os três deputados da Comissão de Ética para votar contra Cunha. E exigido da maioria dos deputados compromisso contra mais acordinhos com o PMDB. Aí a casa caiu: o modelo do PSDB não prevê que o refém lhes diga: "quer matar, mata logo, porra!".

A partir daí as máscaras começaram a cair. Nada explica que a essa altura da crise política Cunha ainda tenha poder para manipular a composição da comissão que examinará o impeachment e continue correndo da Comissão de Ética que não seja a conivência da oposição, do seu partido, do Ministério Público e do Judiciário, aparentemente todos sócios dessa "joint-venture" golpista. Por muito menos um senador do PT, líder do governo, foi preso no exercício do cargo. 

Esqueçam as firulas jurídicas que o PT e Dilma parecem acreditar que são o motivo do pedido de impeachment. Isso pouco importa. Temer assinou os tais decretos sem data assim como Dilma, e no fim das contas isso não é crime de responsabilidade para derrubar governo. Tudo isso é só pretexto para o golpe em curso, e Dilma e o PT acham que o Congresso é o fórum adequado para o julgamento de um mandato democraticamente concedido pelo povo. 

O Congresso é uma arapuca repleta de marginais que se vendem por dinheiro, que não falta nas malas cheias que os grupos de interesses poderão prover à vontade. Quanto custa um voto no impeachment? R$ 10 milhões? Ora, com R$ 342 milhões se "elege" o sucessor de Dilma via golpe. Depois vem a cobrança: pré-sal prá um, BB e Caixa prá outro, mais juros, melhores negócios para a mídia, etc. Não se vota golpe, porque é um processo viciado. Se Dilma ganha, o golpe não pára; se perde, o golpe ganha.

Nossas elites ao longo da história se articularam para fazer as mudanças por cima, sem muito derramamento de sangue. Este só rolou quando havia uma ameaça classista, e toda a elite se uniu para matar, perseguir, torturar e prender trabalhadores e a esquerda. Nos demais momentos o que vimos foi um grupo contra outro grupo de elite. Assim foi na Independência, Proclamação da República, Revolução de 30, etc. O momento atual, a não ser que o PT continue com a esparrela de buscar um "acordão" onde cederá mais para não governar, aponta para um desfecho mais parecido com 1964.

Quase toda a esquerda e muita gente independente assumiu o discurso "tenho restrições ao governo  Dilma, sou a favor da democracia e contra o golpe". Nesta hora sumiu tudo o que de maldade se fez, por exemplo, no circo da Lava-Jato e nas prisões espetaculares de petistas. Ninguém pensa mais nisso. Se o Moro der na telha de prender o Lula agora, por exemplo, entorna o caldo, porque tudo que se fizer daqui prá frente que tente atingir o governo e Dilma será colocado na conta do golpe. E seus autores vão para a lata do lixo da história, que está generosamente aberta. 

O "fator povo" nunca é levado em consideração nos grandes jogos estratégicos das elites. Na hora que querem pagam a oportunistas e à mídia para botar ou tirar povo na rua defendendo o que querem. Funcionou até Cunha tentar a punhalada final. Agora tem "povo gratuito" nas ruas e isso vai crescer ao longo do processo de impeachment. 

As elites acham que se o processo demorar eles vão ter como botar "as massas deles" nas ruas, o que parece falso. Com as bandeiras vermelhas ocupando as avenidas os covardes da classe média de direita não aparecerão, mas mandarão paus mandados  e polícias para tentar calar os manifestantes. Aí não tem mais freio: o pau come, a rua fecha, o carro pega fogo, a estrada pára, o prédio pega fogo, gente importante não pode mais sair na rua, enfim, a situação fica imprevisível e aí, além de golpe, repressão violenta. 

O PT cometeu o erro de submeter o pedido de impeachment ao STF como "chantagem" de Cunha esperando o que? Que algum juiz parasse um golpe no qual o judiciário é interessado? Se fossem isentos já teriam prendido Cunha. Agora se entope de juristas da maior qualidade para dizer que a argumentação do impeachment é inócua. Enquanto isso Cunha e Temer, com os demais ratos da oposição, montam uma comissão viciada que levará a plenário o pedido de impeachment com indicação para afastamento de Dilma. 



O PT pode até "republicanamente" repetir a cena de Collor com Dilma, assinando o livro da destituição, coisa e tal, mas e as pessoas que estão sinceramente defendendo a democracia e as urnas? Muitos não aceitarão mais esse "acordo por cima", onde a ilusão será a da candidatura de Lula em 2018. Se o golpe vier, Lula será preso por qualquer coisa e terá os direitos políticos cassados. Simples e cruel assim! 

Pelo andar da carruagem os golpistas subiram no telhado e chutaram a escada. Não tem mais retorno. Ou ganham ou ninguém governa. Agora é Temer ou nada! Não tem mais "acordo Caracu de governabilidade por cima"! O PT, Dilma, esquerda e cidadania estão fora do modelo deles. Como o processo pode ser longo, é previsível a escalada da tensão e episódios de violência de lado a lado. Nessa hora gente ferida ou morta vira mártir, e aí pode vir guerra civil. 

Dilma não pode vacilar como Jango. Sendo golpe, deve ser tratado como tal dentro da legalidade do respeito às urnas. Não pode se eximir de sinalizar ao povo para reagir legitimamente à usurpação pelos inimigos da democracia. Se Temer e o resto da direita estão montando um governo sem respeito às urnas, Dilma tem o mesmo direito de montar um governo sem o PMDB com programa popular e democrático, apoiado pela força das ruas. Dilma deve aos brasileiros um governo que enfrente os banqueiros, latifundiários, especuladores, sonegadores, corruptos e mantenha e aprofunde os programas sociais numa perspectiva de desenvolvimento. Se o golpe for contido pela força e sacrifício do povo ela ficará devendo mais ainda. 

Não acredito em nada disso, conhecendo como a banda toca no PT e suas lideranças mais evidentes. Vão ficar nessa de apostar na derrota institucional do Impeachment como se fosse um turno eleitoral legítimo. Vão buscar alianças com outros setores tão ou mais corruptos que o PMDB oferecendo cargos e ministérios suculentos. Assim, desmontarão toda e qualquer chance de quem não é do PT mas defende a democracia e o fim da corrupção de se armar para rechaçar o golpe. Bom, vamos ver como é que isso se desenrola. Juro que não gostaria de vivenciar uma guerra civil, de irmãos contra irmãos. Como disse Dilma, a unidade nacional passa pela legalidade e esta pelo respeito às urnas.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

2016: Derrotar de vez o golpe e exigir um governo popular e democrático

Charge de Aroeira que traduz o momento atual: um terrorista contra Dilma





Jornadas de junho de 2013. Ilustração do livro Cidades Rebeldes
Se buscarmos as origens de tanto ódio a uma mulher honesta na vida pessoal e no trato da coisa pública teremos que voltar não à ditadura militar, onde foi presa, torturada e depois virou a página, mas a 2013. Insisto nessa minha visão porque aquele momento foi lido, creio eu, de forma equivocada por muita gente boa que queria faturar em cima do movimento das ruas que quase derrubou Dilma.

Poucos se lembram ou vão ligar uma coisa com outra, mas desde 2012 as condições macroeconômicas permitiram a gradual queda da taxa de juros. Até a poupança foi modificada para não prejudicar a rentabilidade de investimentos quando os juros baixassem muito. Nessa época começou o ódio, que os banqueiros e a mídia tentaram transformar em "golpe contra a poupança" a exemplo do que aconteceu no governo Collor. Dilma mudou a poupança e no dia seguinte a terra continuou girando na mesma velocidade da véspera.

Dilma vivia o melhor do seu primeiro mandato no início de 2013. Em 18 de maio daquele ano escrevi sobre a situação econômica favorável que já despertava ódio golpista na direita, que viria às ruas menos de um mês depois legitimada pela mídia. Vale a pena ver de novo: REVOLUÇÃO CAPITALISTA DE DILMA PROVOCA GOLPISMO DE DIREITA

Exemplo de "ISSO NÃO VEM AO CASO". Aécio não interessa.
Os juros continuaram a cair até que entramos em 2013 com valores reais abaixo de 2%. Para uma economia de parasitas que ganham dinheiro fácil em cima de títulos públicos isso foi um desastre, idem para os banqueiros. Era para terminar 2013 com taxas de juros civilizadas, já que as conjunturas internacional e nacional permitiam. Eis que, como tantos que há todo dia, um movimento reclamando de preços de passagens em São Paulo, que deveria ter ficado pela blindagem de mídia como a atual luta dos alunos contra o fechamento de escolas por Alckmin, isolado nas redes sociais.
De repente a mídia, que condenava, muda de idéia e aparelha a luta legítima com bandeiras como "fora Dilma, impeachment" e outras. Os movimentos sociais adotaram a Copa como bode expiatório e começaram um movimento contra a realização do evento, no que tiveram apoio parcial de mídia até o momento crucial onde a Globo perderia dinheiro se não ocorresse. Teve a Copa, mas Dilma foi xingada nos estádios. Teve a Copa, mas o Brasil não poderia ganhar senão fortaleceria Dilma na eleição. Acabamos tomando 7 x 1 num episódio que mereceria maior investigação diante da corrupção endêmica do futebol, mas a "cena do crime" foi rapidamente desfeita num "deixa disso" midiático. "Perdemos porque somos uns merdas", era o discurso vira-latas do povo da mídia.
A fraqueza de Dilma na "governabilidade" abriu os esgotos.
O fato é que o governo foi desestabilizado e a economia sofreu turbulência que inviabilizou termos juros baixos. Dilma ficou marcada pelo capital. Iniciou-se em 2014 uma operação rasteira, a Lava Jato, de primeira instância numa obscura vara em Curitiba que, com o conluio da Polícia Federal e da mídia no vazamento de informações seletivas, virou o "Tribunal do PT", com o objetivo primeiro de tirar-lhe a eleição. Fracassaram. Começamos 2015 com a fase da sabotagem da economia. Hoje vivemos o "não vai ter Petrobrás, não vai ter BNDES, não vai ter governo, não vai ter Brasil", pela parte dos seus autores.
Oposição faz de Cunha seu herói do golpe
Na retrospectiva de 2015 vamos encontrar em 15 de março o auge dos protestos pelo golpe. Centenas de milhares de coxinhas nas ruas com suas camisas da seleção num movimento crescente, articulado por grupos de extrema-direita na internet espalhando ódio e a mídia espalhando desinformação, calúnias e difamações. A Lava Jato bombando, parando a Petrobrás, inviabilizando a construção pesada, causando desemprego, engrossando o caldo contra Dilma.

A direita quer golpe sangrento, pior que 1964. Extermínio. 
Quando tudo parecia perdido para Dilma aparece ... Cunha! Ele e sua bancada de baixo clero fundamentalista aproveitaram o bom momento da direita fascista para empurrar a tal "pauta bomba", que ia da supressão de direitos trabalhistas com a PL 4330, aquela da terceirização, à supressão de direitos de mulheres, homofobia, criminalização de crianças, privilégios aos mercenários da fé, etc.

Junto com ele o governador Beto Richa do PSDB do Paraná acordou os movimentos com uma repressão brutal aos professores em greve quando tentava roubar-lhes o dinheiro da previdência. A ficha caiu prá muita gente que um governo tucano com Aécio seria uma guerra aos trabalhadores. Mesmo com blindagem de mídia, o desgaste foi grande e as atrocidades foram vistas por muita gente brasil afora.

Os movimentos sociais, que estavam paralisados em parte pela submissão da CUT e outros ao fisiologismo de governo e mais à esquerda pelos que queriam ver o circo pegar fogo e depois crescer sobre as ruínas do PT, não se opunham. As ruas e redes sociais estavam dominadas pela escória do Brasil espalhando até golpe militar,  desejos de matar, volta da ditadura, etc. Isso foi até abril, quando Cunha passou a ser o vilão dos direitos sociais e trabalhistas. Lentamente os movimentos populares se levantaram e passaram a protestar.
Ataques á Petrobrás geraram reações. 13/03/15 Rio

Voltamos a ter a cor vermelha nas ruas, até então ocupadas pelo verde-amarelo hipócrita dos pró-americanos. Eles, por sua parte, exageraram nas demonstrações com baixarias, declarações sem-noção de ódio, oportunismo, etc. Mesmo tendo apoio de mídia até hoje, os coxinhas foram deixando as ruas tanto por fim de uma "moda" mas também porque as coisas já não estavam mais tão fáceis com Cunha se seu saco de maldades. Mesmo com as pesquisas indicando Dilma praticamente sem apoio até da família, ela não caía. Aécio também deu sua colaboração expondo-se como oportunista, interesseiro, sem projeto para o país, apenas um menino mimado vingativo que queria a todo custo tomar o poder depois de ter perdido a eleição.

Globo estimulou ações dos coxinhas contra Dilma e blindou PSDB
Globo mergulhou de cabeça no apoio ao golpe, como em 1964
O cenário foi píorando para Dilma ao longo do ano. A mídia martelando sem piedade usando o canal direto com a Lava Jato para criar factóides e criminalizar o PT, Lula e Dilma. A situação econômica se deteriorou com a conjuntura mundial e com a deliberada sabotagem à nossa economia através de especuladores articulados com a mídia. O pacote econômico do ministro Levy, que poderia ser subscrito pela equipe econômica de Aécio por  penalizar os mais pobres, foi lentamente sendo tocado no congresso e não chegou a fazer efeitos. A liberação do câmbio aliviou as contas externas e começou a animar a indústria exportadora, mas os efeitos só acontecerão no ano que vem, justo quando o desemprego deverá continuar subindo com o fim das grandes obras de infra-estrutura e mais vinganças de CPIs e da Lava Jato.
O "timing" do golpe indicava abril ou maio para a deposição de Dilma, que mostrava debilidade em governar tanto pelo tsunami da direita como pela incompetência da equipe que escolheu. Sem ter mídia favorável sequer se armou com um bom porta-voz. O Planalto silenciou. A articulação política virou um balcão de despachos do PMDB, que foi achacando por mais e mais ministérios enquanto tramava derrubar Dilma e dar posse ao vice Temer. Na área da justiça um dia não será surpreendente saber que o ministro jogava do outro lado. Nunca impediu que a PF vendesse informações à mídia golpista, mesmo sendo o chefe. Deixou que em Curitiba a PF montasse um comitê pró-golpe, um ninho tucano que fez campanha para Aécio.

Antecipada candidatura de Lula 2018
A entrada de Lula em cena com seu lastro popular mudou o jogo mas não freou o golpe. O fato da imprensa ter desfocado de Dilma e ter passado a despejar todo o seu ódio de classe contra Lula o fortaleceu junto às base do PT e a muita gente de esquerda que passou a enxergar que a direita não era democrática: com o golpe viria uma ampla repressão aos movimentos sociais e populares, com o apoio de paramilitares e neonazistas. a exemplo do que aconteceu na Ucrânia. O filho de Lula foi achacado no dia do aniversário de 70 anos do pai, tarde da noite em casa, pela Polícia Federal... Contra ele a campanha de difamação também foi imensa. Até a filha de Dilma teve seu nome associado a enriquecimento inexplicável nas mídias sociais...

Lula fez o contraponto. Galvanizou a solidariedade da base petista descontente e descrente, que já dava o jogo como perdido dada a inoperância e falta de recuperação do governo Dilma. No meio desse tiroteio o Congresso parou. Lentamente as mulheres e outros segmentos atacados por Cunha se levantaram e foram às ruas a partir de outubro.

Os espertos faturam em cima dos otários
Ao longo do ano as máscaras foram caindo mais por erros da direita que por acertos de Dilma e do PT. Cristalizou-se o bordão "se é tucano não vai preso", traduzindo o sentimento popular de impunidade do PSDB mesmo em casos graves de corrupção, como no metrô de São Paulo, o arquivamento e prescrição de casos como o mensalão tucano, etc. A imagem do judiciário trincou, com o juiz Sergio Moro fazendo um circo de arbitrariedades, prendendo primeiro e procurando provas depo



is. A ele foi associado o bordão "isso não vem ao caso" quando os assuntos envolvendo corrupção remetiam a anos FHC. Ficou explícito que a Lava Jato é um tribunal tucano. Ainda há a emblemática imagem do helicóptero dos 450 kg de pó que não foi investigado ou punido porque chegou ao quintal dos poderosos.

O desgaste institucional chegou ao ápice em outubro com a aprovação da lei do direito de resposta e a denúncia das contas secretas de Cunha na Suíça. A máquina de mentir e caluniar da mídia foi parcialmente travada com os direitos de resposta, aumentando a crise de credibilidade que levou a Veja praticamente à falência e tirou dinheiro de patrocinadores da Globo. Esta chegou a perder audiência ao ponto de uma novela do horário nobre perder para um épico bíblico da Record... Foi um ano ruim para a mídia, que passou a ser vista por boa parte das pessoas como manipuladora e mentirosa.

Esposa de Cunha gastando nosso dinheiro
As atitudes diante do roubo explícito de Cunha ajudaram a desconstruir a dicotomia "bem=Mídia + judiciário x mal = Dilma e PT". A exemplo do caso HSBC e da corrupção no Carf, que envolveram bilhões em corrupção e interesses de grandes empresas e figurões "do bem", com Cunha o acobertamento veio para não prejudicar o impeachment em andamento por causa de "pedaladas fiscais" "julgadas" pelo TCU dirigido por um presidente suspeito em casos de corrupção. Graças à péssima imagem de Cunha a "operação abafa" não funcionou. Mulheres foram às ruas pedir sua cabeça. Na mídia houve aqui e ali algumas rebeliões contra Cunha. As imagens de sua mulher fazendo compras de luxo viraram escárnio. Mesmo assim, com o apoio da oposição e vista grossa do governo, Cunha continuou à frente da Câmara com o poder imenso de começar o processo de impeachment de Dilma, que cozinhou desde outubro.

Antes de chegar à conclusão é bom lembrar que com as baixarias das demonstrações de rua, cada vez mais radicais e direitistas, o PSDB e outros partidos que surfavam na onda saíram de cena. Praticamente ficaram "resistindo" oportunistas e mercenários, que tentaram um "gran finale" com uma greve de caminhões seguindo o modelo chileno bancado pela CIA para derrubar Salvador Allende. Também espalharam pelo país bonecos infláveis difamando Lula e Dilma como criminosos. Foi o princípio do fim para eles. Setores de juventude passaram a atacar os tais bonecos e o governo (finalmente) deixou seu "republicanismo Caracu" de lado e inviabilizou a greve política. Os "revoltados" e heróis partiram para o tudo ou nada montando uma centena de barracas em frente ao Congresso Nacional sem ninguém, e juntando o que havia de pior, desde cachorros doidos de direita a gente armada, que chegou a atirar contra uma manifestação pacífica de mulheres negras.

Fim de linha. Mesmo apoiados por Cunha, que os tinha como milícia para pressionar pelo impeachment ao mesmo tempo que barganhava com o governo sua não cassação pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, foram enxotados de forma humilhante de lá. Mas pelas redes sociais o discurso radical continua beirando o terrorismo.

No front jurídico a criminalização do filho de Lula e de pessoas próximas a ele buscava um clímax com a prisão do "Chefe", do "Nine" (nove dedos)" ou "Brahma", como na codificação do circo da Lava Jato e mídia. Pressão máxima pelo impeachment antes do fim do ano. Prenderam o líder do governo no senado, Delcídio Amaral, com grampo de conversa onde entrega também o banqueiro André Esteves, padrinho de Aécio Neves, que bancou sua lua-de-mel em Nova Iorque. A mídia aliviou o banqueiro e centrou fogo em Delcídio, que apesar de ter cometido os crimes no governo FHC quando era do PSDB isso "não vinha ao caso".


O episódio serviu para acentuar o sentimento de haver uma justiça parcial, que prendia alguém do PT por crimes no governo FHC e não prendia um ladrão com consistentes provas, Cunha, que continuava à frente da Câmara, o terceiro nome na linha sucessória. Cunha só conseguiu essa proeza de não ser preso porque faz parte do esquema da oposição para derrubar Dilma. A coisa ficou tão ruim para o lado dele que passou a ser visto pelos seus pares como um obstáculo ao impeachment, ao usar o pedido como moeda de troca para fugir à cassação pela Comissão de Ética com os três votos de deputados petistas que desempatariam a seu favor o jogo.

Entrou dezembro nesse clima com os efeitos da peregrinação de Lula começando a serem sentidos na base petista. Na semana anterior o presidente do PT, Rui Falcão, já havia negado solidariedade a Delcídio quando foi preso, mas a bancada do PT no senado foi contra a sua prisão. Agora petistas iriam dar salvo-conduto a Cunha... uma dose muito forte até para os mais radicais militantes. Veio a reação que chegou aos parlamentares na forma de abaixo-assinado contra livrar Cunha. Os deputados da Comissão de Ética, que estavam vacilantes, foram pressionados a votar contra Cunha. Sentindo que seu esquema de chantagem havia falhado, Cunha tomou a atitude desesperada: iniciou o processo de Impeachment para garantir sua sobrevida com o apoio da oposição e da mídia.

Dilma imediatamente fez um discurso que o torpedeou, colocando sua honestidade contra a ficha suja de Cunha e que fez isso como vingança por uma chantagem mal-sucedida. Diversos setores da sociedade entenderam isso. Um bandido se vingando de uma mulher honesta, apesar de erros e vaciladas políticas. Partidos que lavavam as mãos esperando faturar na queda de Dilma se posicionaram contra o golpe, cujo apoiador mais visível e pessoalmente interessado passou a ser Aécio Neves, que está desgastado até entre seus eleitores e apoiadores.

Com a base do PT comemorando e militando novamente, agora virão os movimentos de rua contra o golpe. Os aloprados da direita vão tentar voltar às ruas a pedido de Aécio, que agora quer adiar a decisão do impeachment depois de ter dito que o Brasil não aguentava mais um dia com Dilma, porque está isolado. Precisa de 342 votos para derrubá-la, o que parece impossível hoje.

Direita ficou com Cunha mesmo depois de denunciado 
Do lado do empresariado, da sociedade civil, de trabalhadores e do povo em geral parece que o início do Impeachment foi um alívio, como quem diz : "bom, agora seja qual for o resultado vai parar essa sacanagem, esse mimimi, que está parando o país e sabotando a economia". Não importa mais Delcídio, Cunha, Aécio, nada. As pessoas querem encerrar esse assunto. Começar 2016 sem incertezas, para poderem se planejar sem ficar mais no "e se Dilma cair", que é explorado por especuladores para ganhar muito dinheiro. E parecem ter um "feeling" de que agora se Dilma cair num processo fajuto sem provas vai ter alguma reação popular podendo culminar numa guerra civil. Ninguém quer isso, mesmo que Dilma continue até 2018, que seria o razoável na democracia.

Dilma pode até não saber, mas está no seu melhor momento desde que ganhou as eleições em 2014. A situação econômica está sendo agravada pela sabotagem e isso afeta até os governos dos inimigos de Dilma. Se ela não pode pedalar, ninguém pode! Estados e municípios estão sufocados pela queda de arrecadação fruto da paralisação forçada pela crise política. Estão dependentes do governo federal. Sabem do risco de caos num processo turbulento de deposição. Tem eleições em 2016 e sem realizações para mostrar os políticos correm riscos de ser derrotados.

28/10/15 - Rio - Ato  das mulheres contra Cunha na Cinelândia
A equipe de Dilma e o próprio Lula buscam pessoas influentes dos partidos para combater o golpe. No PMDB de Cunha até agora não há posicionamento. Michel Temer, o vice de Dilma, não se posicionou. O secretário de Aviação Civil, Eliseu Padilha, que é do PMDB, deixou o governo. Se isso for uma tendência para achacar Dilma, pode virar mais um bumerangue como foi o impeachment aberto no pior momento para Cunha: novamente, vingança e irresponsabilidade.
Chuva de dólares em protesto contra contas na Suíça
De alguma forma os semblantes calmos de Dilma e outros da sua equipe quando fez o discurso que desancou Cunha no histórico dia 2 de dezembro passa a idéia de ter a situação sob controle. Ao fugir da chantagem de Cunha ela também depreciou a chantagem coletiva do PMDB sobre a governança e aí pode vir um novo tiro no pé: o abandono do governo por eles e debandada de vez para a oposição. Teriam que apostar tudo no golpe para entregar o poder a Temer. Fortalecer Cunha a ponto de se misturarem a ele no esgoto. Arriscar perder as eleições de 2016 justo onde são mais fortes: prefeituras!

Pode chegar o momento de Dilma se libertar do PMDB para poder governar. E aí, quem daria governabilidade? Existe vida após o PMDB. E escapando ao golpe Dilma estará devendo à sociedade que hoje se solidariza a ela. Terá que apresentar um programa de governo e começar tudo do zero, um novo mandato. É nessa hora que uma nova correlação de forças poderá ser estabelecida. O bloco liderado pelo PSDB está rachando com a possível saída do PSB, cujo governo em Pernambuco já subscreveu manifesto contra o impeachment. O Rede, que está na sua área de influência, se mostra contra o golpe. E sem Cunha, como fica sua milícia do baixo clero da Câmara, que não se submete aos partidos pelos quais elegeram? A tendência será de fidelização às lideranças que por sua vez buscarão acordos com Dilma.
Pesquisa diz que 81% querem Cunha na cadeia
O processo tem que andar rápido. Acabar logo com isso derrotando no congresso a tese de forma que Aécio não poderá mais tentar nenhum truque sujo. Estará destruído pelos seus próprios pares, que já começam a olhar para 2018 e preparam um luta interna poderosa entre Alckmin e Serra. Pior: sem poderem ostentar financiamento privado de campanha. Pior ainda: enfrentar nas urnas o PT com a militância revigorada, que não precisa de dinheiro para pedir votos. Junto com o DEM, PPS e os partidos do Paulinho e do Roberto Freire poderão ser varridos nas próximas eleições e chegar a 2018 depauperados.


Sabemos das limitações de Dilma, sua equipe e do PT, A declaração hoje do ministro Ricardo Berzoini de começar em março a discussão sobre a regulamentação da propriedade da mídia não parece revestida da radicalidade que o assunto requer. Parece mais um blefe, um joguinho prá criar moeda política no trato com a Globo. Uma pequena chantagem, vem ao estilo Cunha.

O fotograma de hoje, 4/12, não serve para prever o que virá por aí na reação dos golpistas, que hoje perdem feio para Dilma, que tem que liquidar logo essa fatura e liderar as esperanças para começar um ano melhor em 2016.  Sempre haverá a mídia e a chaga aberta da Lava Jato, que poderá oferecer nas ceias de Natal das elites a cabeça de Lula numa bandeja de prata, preso por qualquer coisa. Alguém quer apostar nisso?




quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

São Paulo : Derrubar Alckmin para melhorar o PIB Brasil?

Nordeste com crescimento em índices de padrão chinês
Fonte : Blog da Cidadania
A mídia bandida fez um escândalo com a queda do PIB do Brasil em 4,5% comparando-se o 3o trimestre de 2015 com o de 2014. Apoiando a tentativa de golpe de Cunha / Aécio através de impeachment de Dilma, constrói uma "verdade" que repetida pelos meios de comunicação cria um discurso safado ao estilo nazista de Goebbels. A síntese é : TIRAR DILMA RECUPERA O PIB E MELHORA A ECONOMIA.


 Vamos olhar números interessantes. O PIB do Estado de São Paulo vem desabando nos últimos trimestres. No mesmo período da comparação que serve de combustível ao golpe, O PIB DE SÃO PAULO CAIU 5,5%! A economia estadual contribui com quase um terço do PIB Brasil, logo, se não fosse pelo bom resultado de outros estados melhor administrados (na visão deles), a queda seria ainda maior.

 São Paulo já foi a locomotiva do Brasil. Nos anos Lula/Dilma o Nordeste passou a receber pesados investimentos que reduziram as desigualdades regionais, e isso é uma das causas da rejeição da vitória de Dilma sobre Aécio, o candidato dos coxinhas anti-nordestinos e "paulicêntricos".

Nos últimos anos, em meio à crise mundial avassaladora, o Nordeste teve polos de desenvolvimento crescendo a taxas chinesas. Não é à toa que TODOS os governadores do Nordeste se colocam contra a tentativa de golpe, que pode trazer consequências imprevisíveis à economia com risco de guerra civil e desmantelo completo da produção. Sabem que o golpe, mesmo se sobrasse alguma coisa depois da terra arrasada, poderia trazer um governo como o que Aécio Neves escancaradamente propaga, junto com o DEM, do tipo que já conhecemos de FHC e Alckmin, em São Paulo. Uma tragédia em cima de outras tragédias.

Notícia do UOL : PIB Brasil  cai 4,5% no 3o trimestre
Em 20 anos de governos tucanos São Paulo perdeu espaço
Fonte : Viomundo
São Paulo há 20 anos sofre com governos tucanos. Em 2005 o estado representava 37,3% do PIB nacional. Em 2014 encerrou com 28,7%, praticamente empatado com a soma das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste. Algo impensável há 20 anos. Isso foi o resultado de uma política de altos impostos, falta de investimento em infra-estrutura, custos de transportes extorsivos com pedágios maiores do mundo, corrupção em grandes obras como Rodoanel , metrô e trens e principalmente a incompetência tucana de governar que o Brasil já conhece dos anos FHC.

Vamos derrubar Alckmin e governar São Paulo com um governo competente e honesto. O Brasil melhora. É esse o discurso, mídia?



sábado, 28 de novembro de 2015

YOUTROUXA 0127 : "PT ROUBOU O PRÊMIO DA MEGA-SENA"

Toda vez que os fascistas são derrotados vingam-se com uma onda de mentiras para levantar ódio ao governo e ao PT com o objetivo de manter a chama do golpe acesa. Ou ganhar dinheiro promovendo crise e vendendo produtos. O mais recente lixo produzidos por eles é a onda de desconfiança sobre o prêmio de R$ 205 milhões da Mega-Sena acumulada, sorteado neste dia 25/11/15.

Site UOL às 20:57 h noticiava que havia um ganhador
Primeiro divulgaram que no site da Caixa havia sido informado no dia do sorteio que o prêmio tinha acumulado, e na madrugada do dia seguinte apareceu um ganhador. Pura estupidez. No dia do sorteio por volta das 22:30h os sites dos jornais já publicavam que um vencedor havia levado sozinho o prêmio. "Para completar (a suspeita) o ganhador ainda é de Brasília", diz o texto de um perfil falso Andreas Roddewig.

Até o senador Álvaro Dias engoliu isso. Fez um requerimento à Caixa pedindo esclarecer os "indícios de irregularidade", assinando em baixo a farsa sem procurar saber se havia algum resquício de verdade. Interessado em denegrir a imagem do governo sempre, o senador apostou em ganhar aplausos da galera que o acompanha. E passou por trouxa.


Aí vieram com um falso bilhete premiado mas em uma loteria inexistente. Outra fraude. E sempre o discurso de desconfiança para culpar a Caixa, o governo Dilma e o PT.

Depois veio uma "notícia" de um tal de IFATO.COM levantando suspeitas ao dizer que a lotérica onde foi feita a aposta já tinha há menos de dois meses sido onde foi feita outra aposta que ganhou R$ 47 milhões. Não sabiam dizer se  a aposta única, de R$ 3,50, era bolão. Pode ser... 7 apostadores jogando R$ 0,50 cada um. Claro, tudo em Brasília, onde só tem ladrão...

Para completar as várias tentativas de enganar as pessoas vieram com uma jogada digna de mágico através do site de extrema-direita Guerra Patriótica. . Foram ao site da Receita Federal com o CNPJ da Lotérica e encontraram como sócio Nasser Youssef Nasr. Quem é esse cara? Sei lá, mas os falsários dizem ser parente do doleiro Youssef, da Lava Jato, Dizem que foi deputado e condenado em processo lavando dinheiro em igrejas, etc. Numa rápida busca na internet encontramos uma pessoa com esse nome, um deputado estadual pelo PSDB do Espírito Santo, condenado por um esquema de máfia com outros dois deputados tucanos,sendo um deles o ex-presidente da Assembléia Legislativa, João Carlos Gratz. Do TRE obtivemos:

45699NASSER YOUSSEF NASRDeputado EstadualPSDB

Ainda na Internet encontramos um homônimo, de origem libanesa, comerciante, radicado em Brasília desde a década de 60, que deve ter uns 70 anos e é comerciante, através do link http://ronaldmansur.blogspot.com.br/2012/02/o-brimo-nasser.html

Procurando mais encontra-se um agrônomo da Emater do Espírito Santo e ou advogado de Brasília, também homônimos.

Para quem quer denegrir o PT não é bom encontrar no caminho da sua fraude um Youssef deputado criminoso do ilibado e intocável PSDB. Tiro no pé...

E assim caminha a ignorância de muitos servindo de terreno fértil para um grupelho de espertos. Espalhe a verdade para pessoas que, por algum tipo de insuficiência,é alvo para esse tipo de armação.

PS: Em 30/11/15 a Federação Brasileira de Loterias publicou nota de esclarecimento desmentindo o vídeo "Mega Sena a casa caiu" que propagava a mentira de fraude mostrando que o dono da loteria é homônimo do deputado capixaba condenado por fraude.
http://sinlopar.com.br/nota-de-repudio-video-mega-sena-a-casa-caiu/

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

YOUTROUXA 0127 : "Dilma baixou decreto para livrar Vale e Samarco no desastre de Mariana"

Dá trabalho rebater a estupidez que espertalhões espalham para manter sempre transbordando o ódio ao governo Dilma. Mais um desses casos que exploram a desinformação / má fé dos que replicam sem pesquisar o pensar.

 A presidente Dilma mandou liberar o FGTS das pessoas atingidas pelo lamaçal da Samarco para atenuar os problemas na reconstrução de suas casas . O detalhe é que a lei do FGTS em vigor prevê a liberação em vários casos de origem natural, como queda de encostas, inundações, desabamentos, etc. O que fez então? Baixou o Decreto 8276 de 13/11/15 que, para efeito de sacar o FGTS , que diz: 
"Para fins do disposto no inciso XVI do caput do art. 20 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, considera-se também como natural o desastre decorrente do rompimento ou colapso de barragens que ocasione movimento de massa, com danos a unidades residenciais.”
O tal artigo 20 da lei 8036 fala das condições de saque do FGTS em caso de desastres NATURAIS apenas:
"Art. 20. A conta vinculada do trabalhador no FGTS poderá ser movimentada nas seguintes situações:
XVI - necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorra de desastre natural, conforme disposto em regulamento, observadas as seguintes condições: (Incluído pela Lei nº 10.878, de 2004)
a) o trabalhador deverá ser residente em áreas comprovadamente atingidas de Município ou do Distrito Federal em situação de emergência ou em estado de calamidade pública, formalmente reconhecidos pelo Governo Federal".
Ou seja, pela lei em vigor não seria possível o saque. O que fez Dilma? Deu um jeitinho que está claro no decreto : "PARA FINS DO DISPOSTO..." na lei do FGTS, ou seja, para que o trabalhador o saque em caso de desastre natural, também se considera estouro de barragem como acidente natural. Ou seja, só para isso. Não incide em indenizações, eventual dolo, etc. Para ficar mais fácil ainda de entender para quem tem problemas com interpretação de texto: rompimento de barragem, mesmo não sendo natural, permite liberar o FGTS como se fosse natural. Simples assim.
No mais, ignorância, falta de noção e/ ou caráter de quem usa isso para dizer que Dilma está anistiando a Samarco pelas suas responsabilidades. A medida favorece a quem está na pior sem livrar a cara de quem sempre esteve na melhor lucrando em cima da irresponsabilidade. ISSO FOI BOM PARA AS PESSOAS ATINGIDAS, OK?

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Rio : Mulheres pedem FORA CUNHA em defesa de direitos

No ato de hoje pedindo a saída do presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, ninguém falou no seu escândalo de corrupção. É que Cunha faz muito pior que roubar: ele destrói direitos a partir de visões retrógradas, aliado ao que há de mais reacionário no Congresso. Foi assim quando apoiou a supressão de direitos trabalhistas na PL 4330, que libera geral a terceirização. Sua pauta ataca liberdades democráticas, direitos humanos e sociais duramente conquistados, como política de terra arrasada. Agora vem a PL 5069 para criminalizar o aborto legal, ou seja, forçar a vítima de estupro a ter a criança indesejada. Se ficar na liderança do bando de trogloditas de direita que coordena, em breve voltaremos à idade média, passando pela proibição da pílula, do direito a voto da mulher, etc.

video
Esse ato na Cinelândia, no Rio de Janeiro, foi diferente de tudo que já vi em manifestações populares. E não foram poucas as que vi... Um ato unitário, apesar de haver diversas correntes feministas, ligadas a partidos ou não. Muito forte, energético, trazendo alento e esperança a quem passava e ficava assistindo a tudo. Algo como "alguém está fazendo algo contra Cunha e em defesa do povo", coisa que não temos visto no cotidiano fortemente partidarizado no campo de esquerda. Mulheres, em grande maioria jovens, algumas com filhos pequenos no colo amamentando em público, mostrando o caminho da luta. Querem Cunha fora do Congresso para acabar com tantos retrocessos e novas ameaças.

Cunha está no inferno astral. Fazendo malabarismos para ele, mulher e filha não serem presos. Para isso conta com o apoio da mídia, que nada fala sobre suas contas na Suíça, os gastos milionários da mulher de contas secretas de todos, inclusive a filha. Conta com a blindagem do juiz Moro, que não dá voz de prisão imediata em flagrante de toda a família por crimes de natureza permanente, tudo com dinheiro grosso da Petrobrás que pode chegar a meio bilhão de reais. E com a mãozinha do Ministério Público federal, que mesmo com a plena liberdade de Cunha para destruir provas e prejudicar a investigação do seu escândalo não o afasta da presidência da Câmara.

Eis que nos seus ataques aos direitos Cunha "modulou" a família composta de homem, mulher e filhos, destruindo todos os demais arranjos existentes hoje, em especial os de natureza homoafetiva. Atacou a "pílula do dia seguinte" a partir da visão anti-aborto mesmo em caso de estupro. Apoia a criminalização do aborto. É contra a criminalização da homofobia, até porque sua claque é homofóbica.


Contando com a passividade da sociedade em geral, acreditava que logo isso seria esquecido deixando os atingidos no gueto. Para azar dele, no ENEM uma frase da feminista Simone de Beauvoir, combatida pelos seus reacionários aliados como Bolsonaro e os que lavam dinheiro em pia batismal, trazendo mais revolta e ao mesmo tempo fortalecendo a luta feminista.
A denúncia de corrupção de Cunha parecia pequena diante de tanta disposição de luta pelo estrago que vem fazendo e ainda pode fazer mais enquanto estiver no poder. Até tirar uma mulher da presidência! O ato também não bateu em Dilma. Não fazia parte do escopo. Queriam Cunha por tudo de ruim que já fez até aqui.

A manifestação de hoje parecia mais um "Basta, Cunha". Começou com uma passeata saindo da Assembléia Legislativa, parando em frente ao prédio no Largo da Carioca para protestar em frente ao prédio onde Cunha tem escritório e seguindo para a Cinelândia. Se na passeata havia cerca de 500 pessoas, na Cinelândia havia mais de mil. Quando começou o ato contra Cunha, havia cerca de 5 mil pessoas na praça. Detalhe: sem carro de som. As pessoas se sentaram no chão e repetiam em coro as palavras dos oradores. Cantaram, participaram de uma encenação teatral onde uma mulher nua falou da luta constante das mulheres e entoaram palavras de ordem como "A pílula fica, Cunha sai".

Cunha é muito mais que corrupção. É a encarnação da crueldade contra os vulneráveis de todas as naturezas. É a encarnação da truculência contra a diversidade. É uma ameaça à democracia. Merece que em todo o país haja protestos contra o projeto que está implantando e se o judiciário e o MP ajudarem, saia algemado num camburão do Congresso Nacional. FORA, CUNHA!